A importância da coleta seletiva

Desde os primórdios da humanidade deixamos resíduos por onde passamos, porém esses, muitos séculos atrás, eram predominantemente naturais.


Atualmente, com o grande avanço da tecnologia e a variedade de materiais disponíveis, a geração de resíduos de vários tipos pela humanidade cresceu drasticamente. Pensando no impacto ambiental que os descartes desses resíduos geram para o planeta, e na preservação dos recursos naturais, surgiu então o processo da coleta seletiva.

Muitas pessoas acreditam que fazem sua parte apenas não jogando lixo no chão. Entretanto, nos dias de hoje, o essencial para cada um vai mais longe. É preciso diminuir o impacto ambiental causado pela larga produção de resíduos e, para isso, foi desenvolvida a coleta seletiva, que representa um descarte consciente, onde os resíduos são separados pelas pessoas antes de serem descartados, de acordo com o material que são feitos.


A coleta seletiva se tornou extremamente importante na vida moderna, devido ao aumento do consumo e consequentemente do lixo produzido. Além de contribuir para a construção de um mundo sustentável, ela evita a disseminação de doenças e contribui para acabar com poluições tóxicas que contaminam solos e águas de rios, que acabam trazendo efeitos negativos imensuráveis ao longo do tempo.


Como benefícios da coleta seletiva e descarte correto dos resíduos podemos destacar a diminuição da poluição, economia no consumo de energia e água, diminuição dos gastos com a limpeza urbana e a geração de emprego e renda pela comercialização dos recicláveis, já que muitos catadores e cooperativas de reciclagem se mantém recolhendo os resíduos. Reciclar, reaproveitar e reduzir (são) é a chave para se viver em um mundo mais limpo e sustentável.

Tipos de resíduos


Segundo a última pesquisa realizada pelo IBGE, no Brasil são produzidas, aproximadamente, 228,4 mil toneladas de lixo diariamente. O lixo domiciliar representa mais da metade de todos esses resíduos. Por isso, é muito importante conhecer os diferentes tipos de materiais, para saber como descarta-los da maneira correta.


Lixo Orgânico: é proveniente de qualquer alimento que se decomponha. O ideal é que sejam coletados por empresas que realizam a compostagem. Assim deixamos de enviar este tipo de resíduo rico em nutrientes para o aterro sanitário.


Resíduos Reciclados: são resíduos passíveis de serem reaproveitados, como metal, vidro, madeira, papel e plástico. No caso do plástico, como embalagens de comida, lave-os antes do descarte, para que os restos orgânicos não atraiam insetos e animais. Nos casos de caixas de papelão, desmonte-as para facilitar a reciclagem.


Descarte diferenciado

Materiais eletrônicos: esse tipo de lixo pode ter metais pesados em sua composição e, por isso, não deve ser descartado diretamente no meio ambiente, já que levam riscos de contaminação ao solo. O ideal a se fazer é procurar por empresas ou cooperativas especializadas na reciclagem deste tipo de material.


Hospitalares: os lixos hospitalares exigem tratamento diferenciado desde a coleta, já que precisam ser colocados sacos de lixo próprios para o descarte, até sua deposição final, já que podem estar contaminados e até transmitir doenças para as pessoas que tiverem contato com esses resíduos.

Você conhece as cores das lixeiras destinadas à coleta seletiva?

Azul: Papel e papelão

Verde: Vidro

Vermelho: Plástico

Amarelo: Metal

Laranja: Resíduos perigosos

Preto: Madeira

Branco: Resíduos ambulatoriais

Roxo: Resíduos radioativos

Marrom: Resíduos orgânicos

Cinza: Resíduos não recicláveis.


Com pequenas atitudes podemos tornar o mundo em que vivemos em um ambiente mais limpo, saudável e especial.


Fontes:

Biblioteca da Mináguas

Site sustentável

Meu resíduo

Logo Assinatura Branca.png

VOLTE AO TOPO